acubens museu virtual de cancer

Menu
Audiodescrição

Libras

Saiba mais
Cozinha - painel 4

Obesidade e câncer

Uma pesquisa realizada pela Bariatric Surgery Worldwide aponta que 1,7 bilhão de pessoas no mundo sofrem com o excesso de peso e obesidade.

O Brasil é o segundo país que mais realiza cirurgias de redução de estômago, chegando, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a 72 mil cirurgias em 2012, perdendo apenas para os Estados Unidos que, no ano de 2003, realizaram cerca de 150 mil procedimentos do gênero.

Dados da pesquisa do VIGITEL (Vigilância de Fatores de risco e proteção para doenças crônicas por Inquérito Telefônico) revelaram que 52,5% dos brasileiros estão acima do peso e 17,5% são obesos.

Segundo o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Jose Luis Lopes, o risco durante a cirurgia bariátrica é menor que 2%.

“Por outro lado, os problemas de não fazer e continuar obeso são muitos, como o de desenvolver pressão alta, diabetes, dislipidemia (colesterol e/ou triglicérides altos), artropatias (doenças articulares por desgaste) e apneia do sono (alteração na respiração durante o sono). Esses riscos acarretam na diminuição da expectativa de vida do paciente”, alerta.

 

A cirurgia

Existem três tipos de cirurgia: restritiva, caracterizada pela diminuição da quantidade de alimentos que entra no trato gastrointestinal, mal absortiva, que reduz a capacidade de absorção do intestino, e mista, que utiliza as duas técnicas. A mista (bypass em y de Roux) é a mais equilibrada e com bons resultados a curto e longo prazos.

Inicialmente, a cirurgia é indicada para pessoas que apresentam índice de massa corporal (IMC = peso/ altura x altura), superior a 40 ou acima de 35 com pelo menos uma comorbidade (diabetes, pressão alta etc.).

“A cirurgia não deve ser vista como último recurso, mas usada precocemente para evitar a progressão de doenças relacionadas à obesidade, auxiliando a aumentar a longevidade e qualidade de vida das pessoas”, esclarece Lopes.

 

Mude os hábitos de vida

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), em média, metade dos pacientes que passam pelo procedimento voltam a engordar parcialmente e cerca de 5% das pessoas recuperam o peso que tinham antes de fazer a cirurgia.

“Mesmo depois da cirurgia, é importante que o paciente tenha uma mudança nos hábitos alimentares e comece a fazer exercícios físicos, visando uma melhor qualidade de vida”, recomenda o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, José Luis Lopes.

Uma pesquisa realizada pela Bariatric Surgery Worldwide aponta que 1,7 bilhão de pessoas no mundo sofrem com o excesso de peso e obesidade.

O Brasil é o segundo país que mais realiza cirurgias de redução de estômago, chegando, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a 72 mil cirurgias em 2012, perdendo apenas para os Estados Unidos que, no ano de 2003, realizaram cerca de 150 mil procedimentos do gênero.

Dados da pesquisa do VIGITEL (Vigilância de Fatores de risco e proteção para doenças crônicas por Inquérito Telefônico) revelaram que 52,5% dos brasileiros estão acima do peso e 17,5% são obesos.

Segundo o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Jose Luis Lopes, o risco durante a cirurgia bariátrica é menor que 2%.

“Por outro lado, os problemas de não fazer e continuar obeso são muitos, como o de desenvolver pressão alta, diabetes, dislipidemia (colesterol e/ou triglicérides altos), artropatias (doenças articulares por desgaste) e apneia do sono (alteração na respiração durante o sono). Esses riscos acarretam na diminuição da expectativa de vida do paciente”, alerta.

A cirurgia

Existem três tipos de cirurgia: restritiva, caracterizada pela diminuição da quantidade de alimentos que entra no trato gastrointestinal, mal absortiva, que reduz a capacidade de absorção do intestino, e mista, que utiliza as duas técnicas. A mista (bypass em y de Roux) é a mais equilibrada e com bons resultados a curto e longo prazos.

Inicialmente, a cirurgia é indicada para pessoas que apresentam índice de massa corporal (IMC = peso/ altura x altura), superior a 40 ou acima de 35 com pelo menos uma comorbidade (diabetes, pressão alta etc.).

“A cirurgia não deve ser vista como último recurso, mas usada precocemente para evitar a progressão de doenças relacionadas à obesidade, auxiliando a aumentar a longevidade e qualidade de vida das pessoas”, esclarece Lopes.

Mude os hábitos de vida

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), em média, metade dos pacientes que passam pelo procedimento voltam a engordar parcialmente e cerca de 5% das pessoas recuperam o peso que tinham antes de fazer a cirurgia.

“Mesmo depois da cirurgia, é importante que o paciente tenha uma mudança nos hábitos alimentares e comece a fazer exercícios físicos, visando uma melhor qualidade de vida”, recomenda o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, José Luis Lopes.

http://www.tribunadabahia.com.br/2015/06/22/pesquisa-diz-que-mais-de-50-dos-brasileiros-estao-acima-do-peso

desenvolvido por corbata informatica